Por que quasares são tão fodas?

Por que quasares são tão fodas?

Você já ouviu falar num quasar? Não? Acha que eu to falando do perfume da Boticário? Então senta ai – você já deve ta sentado lendo isso anyway – e vem com o tio nessa jornada pelo cosmos.

Mas primeiro algumas coisas sobre buracos negros:

As pessoas geralmente pensam em buracos negros como aquelas coisas monstruosas que sugam tudo ao seu redor sem dó nem piedade tipo a Taylor Swift sugando todos os Grammys

572e0e11c46188b5058b45c0
O que um buraco negro parece para um cidadão leigo

PORÉM, CARO CIDADÃO LEIGO, eu estou aqui para clarificar esse mito de que se aparecesse um buraco negro com a massa do sol no mesmo canto do sol a gente ia ser sugado pra dentro e morrer antes que pudéssemos dizer “Fora Temer!”, quando na verdade a realidade seria muito mais chata:

Sistema solar normal:

20170222174946_1
Print do Universe Sandbox²

Sistema Solar com buraco negro de 1 massa solar no meio:

20170222174650_1
De novo print do Universe Sandbox²

Tirando aquele brilho no meio da foto – A.K.A o Sol – a vida permanece a mesma – tirando o período de eterna escuridão que viria por causa da falta de uma fonte de luz e a consequente morte de todas as plantas e um frio enorme que provavelmente extinguiria a raça humana, mas isso a gente pode relevar -, principalmente as órbitas dos planetas. Sério. Fica a mesma merda, mas sem luz do Sol. Só isso.

Outra coisa que eu pessoalmente acho foda pra caralho é o quão denso um buraco negro normal tem que ser. Pra tu ter uma noção, um buraco negro com a massa do Sol teria mais ou menos um diâmetro de SEIS FUCKING QUILÔMETROS!!!!!!!! Isso é tipo a distância da minha casa pra o centro. Agora imagine algo do tamanho do Sol comprimido nessa área minúscula para padrões cósmicos. Pois é.

PORÉM, PLOT TWIST: o Sol nunca vai ser um buraco negro, pois para uma estrela virar um buraco negro ela tem que ter pelo menos umas 25 vezes a massa do sol antes de explodirem numa supernova (um dia quem sabe falo dessas explosões maravilhosamente devastadoras). O nosso querido astro vai virar uma gigante vermelha, engolir todos os planetas até Marte, e depois virar uma anã branca. Mas aonde eu tava mesmo? AH SIM. QUASARES.

cropped-1920-1080-194258.jpg

Depois de ler os parágrafos anteriores você talvez pense “Ah buracos negros nem são tãããããão perigosos assim como eu pensava. Na verdade são até fofos”. BEM MEUS QUERIDOS EU LHES APRESENTO SAGITTARIUS A, mais conhecido como o buraco negro supermassivo mais próximo, no caso no centro da Via Láctea. Sim. Caso não saiba, tem um buraco negro supermassivo no centro da maioria das galáxias.

sgr_lg

“Mas, Tony. Quanto que a massa de um buraco negro tem que ser pra ser supermassivo?” Ora, meu jovem gafanhoto, nada demais. Apenas….vejamos….oh….algo em torno de bilhões de vezes a massa do Sol, ou 1000000000 massas solares. Nada demais não é mesmo? Esses buracos negros ainda são objeto de estudo, pois não se tem certeza de como foram formados – estrelas com essa massa nao sao exatamente possíveis, because physics.

Agora vamos para como se faz um quasar (não tente isso em casa):

Vamos precisar de:

  1. Um buraco negro supermassivo;
  2. Muita, muita, muita massa (pode ser qualquer coisa de estrelas a poeira cósmica).

Modo de preparo:

Pegue o BNSM (não confundir com BDSM) e jogue essa massa um pouco à direita ou esquerda do buraco negro para que fique em órbita (de preferência a distâncias variadas do horizonte de eventos (a parte preta). O atrito dessa massa com o campo magnético do buraco negro (que é grande pra caralho e forte mais pra caralho ainda) vai fazer com que seja criado um “disco de acreção”, que é basicamente um monte de poeira que fica orbitando o buraco negro num plano bidimensional – como a forma que a maioria dos planetas orbita o sol.

Devido à orgia gravitacional/magnética que ocorre ali, o conteúdo do disco de acreção acaba sendo ejetado em dois raios de radiação eletromagnética capaz de obliterar (amo essa palavra) qualquer coisa que chegue perto. Esses raios “mutxo lokos” ficam um em cada pólo magnético do Pretão (nome alternativo que inventei agora pro BNSM).

572e0e11c46188b5058b45c0

Fun fact: antes de descobrirem que era tudo a mesma coisa vista de ângulos diferentes, os astrônomos os chamavam de nomes distinto dependendo do ângulo que estivessem em relação ao observador. Se o raio tivesse apontando diretamente para a Terra – que ta muito longe pra sofrer qualquer efeito significativo dele – recebia o nome de “blazar” (não confundir com blazer nem bazar). Se tivesse perpendicular (com o disco de acreção voltado para a Terra), recebia o nome de “núcleo galáctico ativo” e a tal galáxia que é referida no nome recebe o nome de “galáxia de rádio” (porque emite ondas dessa faixa de frequência). E, finalmente, se não for nenhum dos dois aí sim era chamado de quasar.

319443main_agn_frame_lg
Blazar
maxresdefault
Núcleo galáctico ativo

Ah, o espaço. Cheio de coisas gigantes que destroem tudo à sua volta.

2 comentários em “Por que quasares são tão fodas?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s